Hipócrates

          Hipócrates (460 a.C.-377 a.C.)  é considerado o pai da Medicina. Ele era um asclepíade, isto é, membro de uma família que durante várias gerações praticou os cuidados em saúde.

 

          Antes de seus estudos e sua nova concepção de como tratar doenças, os tratamentos médicos ficam a cargo de sacerdotes de Esculápio, o deus grego da cura.  Acreditava-se que as pessoas adoeciam por causa de um castigo dos deuses e que se curavam se os deuses assim quisessem ou fossem agradados com rituais e sacrifícios.

 

          Para se tornar o médico mais célebre da Antiguidade, Hipócrates utilizou a Filosofia como aliada da medicina, entendendo que as formas de estudo e análise racionais utilizadas pelos filósofos eram mais adequadas para diagnosticar e tratar os doentes. Ele rejeitou as superstições e estabeleceu que a maioria das doenças eram provocadas por fatores climáticos adversos  - como o frio excessivo provocando resfriados e pneumonias -  alimentação ou hábitos inadequados.

 

          Até hoje os formandos de Medicina prestam o “Juramento de Hipócrates”. Em um trecho, ele diz: "Prometo que, ao exercer a arte de curar, me mostrarei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da Ciência”.